In Meio Ambiente, Políticas públicas

Em uma entrevista concedida no final de 2009, o filósofo esloveno Slavoj Zizek comenta a tendência que temos de observar a ecologia atualmente não como uma fonte de recursos e conhecimento, mas como uma fonte de medo, que em muitos aspectos substitui a religião:

“(…)De longe, a versão predominante da ecologia é a da ecologia do medo – medo da catástrofe, humana ou natural, que pode perturbar profundamente ou mesmo destruir a civilização humana. Essa ecologia do medo tem todas as oportunidades de se converter na forma ideológica predominante do capitalismo global, um novo ópio das massas que sucede o da religião. Assume a função fundamental da religião, aquela de impor uma autoridade inquestionável que estabelece todo limite.Apesar de os ecologistas exigirem permanentemente que mudemos radicalmente nossa forma de vida, é precisamente isso que subjaz a essa exigência no seu oposto, isto é, uma profunda desconfiança em relação à mudança, em relação ao desenvolvimento, em relação ao progresso: cada transformação radical pode conter a consequência inestimada de detonar uma catástrofe. É exatamente essa desconfiança que converte a ecologia em um candidato ideal para tomar o lugar de uma ideologia hegemônica, pois faz eco da desconfiança em relação aos grandes atos coletivos.(…)”

Essa visão da “Ecologia do Medo” tem uma função extremamente despolitizante. Não encaramos mais as preocupações com os recursos naturais como um problema de distribuição desigual, onde poucos consomem os recursos destinados a muitos; Não vemos mais os impactos ambientais de um empreendimento como questão de custo/beneficio de sua implantação. Tudo passa a ser visto como uma relação de pecado/punição que no final serve para manter afastada, a grande maioria das decisões sobre o meio ambiente em que são forçados a viver!

Um exemplo é a questão da implantação das novas hidrelétricas em execução pelo governo federal. Enquanto as manifestações contra a implantação dessas usinas focam a ideia de que elas são uma agressão desnecessária ao meio ambiente, ajudam a esconder o debate sobre a matriz energética Brasileira e o crescimento da demanda por energia no país.

O mesmo ocorre com o debate sobre o lixo, quando esse se concentra na discussão sobre a reciclagem do lixo domestico (que é menos de 3% do lixo produzido no mundo), esquece-se por completo o debate sobre nossos padrões de consumo e os meios de produção de nossa sociedade.

Valores aproximados – Fonte: O Estadão

O verdadeiro debate ecológico precisa ir além da superficialidade e do medo para que possamos solucionar os reais problemas que se posicionam a nossa frente! Se há algumas décadas o lema dos ecologistas era “Pense globalmente, aja localmente” o nosso lema atual deve ser simplesmente “Pense!”.

 

Recent Posts

Leave a Comment

Contato

Entre em contato conosco.